Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

05.Ago.16

Vitimização

Vitimização.jpg

E quando as palavras dos outros tornam tudo mais claro? Quando numa pequena observação percebemos que nem todos os papéis foram herdados ou somente assumidos por nós, mas alimentados pela outra parte? A culpa esbate-se. O nosso erro é assumido, independentemente do outro lado conseguir fazê-lo, ou sequer detectá-lo, mas de uma forma responsável e sem qualquer tipo de manipulação emocional. Frequentemente colocamos a culpa nos outros, ou no meio em que vivemos. O trabalho não corre bem porque a equipa não colabora, os clientes fazem o que entendem porque a crise assim o permite. As coisas em casa correm mal porque ele/a nunca está, não ajuda com a casa ou com os miúdos, não quer trabalhar, não quer sair…Já para não falarmos nas vezes que acusamos a sorte de nos virar as costas e o azar de teimar em permanecer. Baseamos o nosso sofrimento nos outros. Ficamos isentos de qualquer responsabilidade e perdemos objectividade. Assumimos, muitas vezes sem dar conta, este papel de vítimas, despertando nos outros uma maior atenção e carinho mas também sentimentos de pena. Mas também há a outra face da moeda. Quando assumimos a culpa de tudo o que acontece à nossa volta. Trazemos até nós todas as responsabilidades ilibando os outros das acções praticadas. Por vezes são mecanismos de defesa, face à nossa impotência perante determinada situação. Quando assim é e porque de facto a situação deu origem a esta condição, o papel de vítima é passageiro e vai-se dissipando à medida que o problema se soluciona. No entanto, conflitos emocionais, ou momentos em que de algum modo nos sentimos ameaçados, levam-nos a assumir o papel de vítima como forma de sermos poupados pelos outros, contando com a sua compaixão e compreensão, assumindo-nos capazes de grandes sacrifícios pelos outros e reclamando o reconhecimento dos nossos actos. O reforço da vitimização ocorre muitas vezes quando nos faltam argumentos, anulando críticas e opiniões. Este tipo de manipulação emocional a dada altura, pode até parecer vantajoso, trazendo aparentemente mais benefícios do que problemas, uma vez que se alimenta de um público que na maioria das vezes se sente culpado e até insensível quando questiona as acções da vítima. 

Qualquer um de nós, no decorrer da nossa vida e face a algum momento mais doloroso, pode assumir este papel. O importante é reconhecer quando o fazemos, porque o fazemos e como devemos ultrapassá-lo. Não permanecer demasiado tempo nesta posição, ser responsável e culpar menos, permitindo assim fechar o ciclo da experiência que o originou.