Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

20.Jan.18

A Triologia de 2017

Inês Santos
Vulcano(Vulcano - ou Hefesto -  era o deus do fogo, do trabalho e da metalurgia. Era feio, coxo e manco. Sendo o deus do fogo, muitos sacrifícios eram feitos em sua honra. Atiravam-se pessoas para o fogo ou, de forma ainda mais insidiosa, para as crateras dos vulcões. Tentava-se assim saciar a fome de sangue de Vulcano.) Depois de Pedrogão Grande o impensável aconteceu e igual tragédia deu-se duas vezes em quatro meses. Mais uma catástrofe a que ninguém conseguiu ficar indiferente (...)
15.Jan.18

A vida num momento...

Inês Santos
Abrira a janela e puxara de um cigarro. Vício esse que não fazia o mínimo de esforço para largar….a noite estava igual a tantas outras. Fria, escura, vazia. Sofia contemplara tudo à sua volta na expectativa de encontrar algo diferente… a rua estava apenas mais desgastada pelo passar dos anos e as árvores despidas pelo vazio do Outono. Apenas o vento frio lhe cortava o rosto e as mãos. Miguel, tinha vindo de Oeiras, exausto, como habitualmente…Chegara e atirara-se para o sofá. (...)
10.Jan.18

Futebol...again

Inês Santos
10 de Outubro de 2017, Lisboa, Estádio da Luz - Portugal vs Suíça.Era o jogo do tudo ou nada para a seleção lusa. Só a vitória nos asseguraria a qualificação directa para o Mundial da Rússia de 2018. Um auto-golo e uma jogada de equipa finalizada por André Silva garantiam o sucesso da Seleção das Quinas, levando a nação ao rubro.  Um doce presente de aniversário para Fernando Santos que perfazia 63 anos. No final, o hino nacional volta a ser entoado no Estádio da Luz, num (...)
19.Mai.17

Solteirices

Inês Santos
 Quantas vezes ouvimos a velha máxima “mais vale só que mal acompanhado”. Garantidamente eu própria fiz esta afirmação mais do que uma vez. Mas pergunto-me se não é simplesmente o caminho mais fácil. Contornamos a solidão, preenchemos espaços vazios e evitamos que alguém entre na nossa vida. Sei o que é estar só, sei o que é a solidão a dois. E sei o que é partilhar uma vida, uma casa, um tecto. E seguramente a partilha é a que dá mais trabalho, cansa, exige (...)