Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

Mãos Cheias de Nada

Retalhos dos meus dias tristes...

27.Jun.16

Dia de Detox

toxic.jpg

 

Pessoas Tóxicas. Nunca tinha pensado em tal coisa. Será que existem? Com certeza que sim. Ao longo da nossa vida passam-nos inúmeras pessoas pelas mãos, relacionam-se connosco, vivem connosco…Contudo, por mais sorridentes ou brilhantes que essas pessoas sejam nem sempre nos fazem bem. Nem sempre é um querer mal, mas são pessoas que de uma maneira ou de outra, ou em determinados períodos da nossa vida, simplesmente nos sugam toda a nossa energia.

 

E não, nem sempre são as pessoas tristes de olhos carregados ou expressões depressivas, que são tóxicas. Os olhos mais cintilantes, ou a alegria exasperada, por vezes também nos infectam a alma, drenam-nos as emoções e deixam-nos mais fragilizados.

 

Seja a culpa, o medo, o trabalho, os interesses, a imensa necessidade de aceitação e aprovação, ou simplesmente porque acreditamos gostarem de nós e que nos fazem bem, permitimos que permaneçam na nossa vida, sem darmos conta de que a nossa auto-estima e insegurança as alimenta potenciando a sua capacidade de nos desgastar. Sem dar conta, tornam-se “vampiros” emocionais que nos sugam toda a atenção e por isso deixamos que se mantenham e participem directamente na nossa vida, sem reconhecemos que a nossa melhor versão é anulada e desvalorizada.

 

O problema está em reconhecê-las e saber conviver com elas, ou até mesmo afastá-las do nosso seio. Mais uma vez o medo, a necessidade de aceitação, o meio onde estamos inseridos, a fraqueza da eterna disponibilidade, impede-nos de cortar com esses vínculos, reconhecendo que o nosso bem-estar deverá estar acima de todas as razões que nos pareçam razoáveis. É preciso fazer um detox e aceitar que nem todos têm que fazer parte da nossa vida da mesma forma.

 

Dar e receber, sem obrigação de parte a parte, é um dos princípios das relações saudáveis. Pessoas inspiradoras, resilientes e incentivadoras, que nos acrescentam e nos enriquecem, e que acima de tudo reconhecem e potenciam as nossas capacidades, trazem consigo relações muito mais gratificantes e é destas que é importante nos cercármos.